Foto: Atelopus/Catálogo iStock Atelopus/Catálogo iStock - Insetos aquáticos presentesna água indicam áreas preservadas ou degradadas Insetos aquáticos presentesna água indicam áreas preservadas ou degradadas
DestaqueFlorestalSem categoriaTecnologia

Cientistas usam larvas de mosquitos aquáticos como bioindicadores ambientais

Foi a primeira vez que as consequências de diferentes usos e coberturas do solo foram avaliadas utilizando esses insetos

26views


Embrapa Meio Ambiente 

Pesquisadores da Embrapa e da Universidade Federal da Grande Dourados (UFDG), em estudo realizado na Amazônia, descobriram que mudanças no padrão alimentar de uma família de insetos aquáticos (Chironomidae Diptera), presentes nos igarapés da Amazônia Oriental, podem servir como importante indicador das alterações ambientais causadas pela atividade agrícola.

Foi a primeira vez que as consequências de diferentes usos e coberturas do solo foram avaliadas utilizando esses insetos. Como esses animais podem ter uma maior ou menor sensibilidade à poluição e às mudanças no ambiente, necessitando de condições específicas para se desenvolverem, eles indicam aos cientistas a extensão e intensidade de impactos ambientais em um ecossistema aquático e na bacia. Para isso, são analisados fatores como a presença dos insetos, sua quantidade, distribuição e comportamento alimentar.

O estudo revelou que os córregos em ambiente de floresta mostraram uma assembleia aquática (grupo de insetos) mais estável, enquanto que as encontradas em áreas com agricultura se apresentaram menos diversas e funcionais.

As diferenças observadas na dinâmica alimentar das comunidades de insetos são relacionadas aos impactos do uso e da cobertura do solo, evidenciando a estreita influência que existe entre o desmatamento de áreas de floresta ripária (mata ciliar) para uso agropecuário e as mudanças verificadas na funcionalidade alimentar desses insetos.

Um fator importante de impacto da agricultura observado sobre as comunidades de macroinvertebrados aquáticos é a adição de sedimento mais pronunciada em córregos de pastagem que nos florestados, o que promove significante diminuição na abundância de insetos fragmentadores. Ou seja, esse tipo de inseto é encontrado em menor quantidade em águas que passam por áreas desflorestadas.

Por outro lado, o estudo identificou comunidades mais estáveis em córregos de floresta, com maior participação de insetos filtradores e coletores, enquanto as comunidades aquáticas em áreas agropecuárias apresentaram maior presença de insetos predadores.

Os insetos fragmentadores são diretamente relacionados à disponibilidade de matéria orgânica que, no estudo, teve presença significativa em córregos florestados.

Conforme ressalta a pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente(SP) Kathia Sonoda, os resultados apurados reforçaram estudos já realizados, nos quais foram reportados efeitos negativos de sistemas agrícolas na degradação de córregos. Segundo ela, esses trabalhos mostraram a importância da mudança de comportamento da família Chironomidae (veja quadro) na comunidade com o aumento das áreas agrícolas. Ou seja, quanto menor a interferência no ambiente, maior o equilíbrio das comunidades de insetos aquáticos.

Além disso, a pesquisadora conta que, devido à presença de gêneros sensíveis e resistentes às alterações ambientais, esses insetos são bons indicadores de qualidade do ambiente. “Apesar da sua abundância e diversidade nos diversos ambientes aquáticos neotropicais, essa família ainda carece de muitos estudos de sistemática, biologia, ecologia e comportamento, além da formação de um maior número de profissionais dedicados a estudá-la”, pondera a cientista da Embrapa.

Leave a Response